8.5.16

Pela brecha da porta


   Foi pela brecha da porta que eu te vi saindo de fininho enquanto a luz do sol ainda começava  a aparecer pela janela. A lua foi testemunha daquela nossa primeira noite juntos. Enquanto eu me mantinha sóbria para me recordar daquele momento, você esvaziava garrafas como quem só quisesse esquecer. 
   Foi pela brecha da porta que eu fiquei te esperando chegar em minha casa naquela manhã de domingo para te apresentar meus pais, mas você não apareceu. Disse que o futebol cansou, a reunião atrasou ou algo do tipo. Eu só queria ser seu refúgio, sua fonte de energia, mas você insistia em se afastar.
   Foi pela brecha da porta que te vi ir embora tantas vezes, mas em todas elas você permanecia em mim. Você saia depressa, sem olhar para trás e eu percebi que pela brecha da porta nada se vê, é só um meio de se esconder. Então daquela quinta-feira fria, eu te vi saindo pela última vez, pois amores de brechas a gente fecha a porta.

4 comentários:

Paris de Priscila 2016 © Todos os Direitos Reservados

Design & Desenvolvimento por Moonly Design | Imagens Cabeçalho por Freepik