15.11.13

Li por aí: OBS - Matheus Rocha (Neologismo)

O que queria realmente te dizer é que, olha, eu sei que não tá fácil, e que os dias andam difíceis, para ser sincero, cada dia piores, mas fugir ou adiá-los não vai te dar a solução que você tanto busca. A única maneira de não ter problemas é enfrentá-los.

Talvez nunca haja tempo pra gente sentar como dois bons e velhos amigos e finalmente te contar toda a história da minha vida, aquela parte que ninguém além de mim sabe muito bem. Talvez nunca haja tempo para te narrar todas as minhas batalhas silenciosas, as minhas guerras sem sangue, as perdas irreparáveis, as descobertas inacreditáveis e o quanto lutei pra me tornar o que sou hoje, mas, mesmo assim, só te peço uma coisa: acredite, nunca foi fácil.


 A parte mais difícil da vida de qualquer pessoa é o amor que ela carrega. Às vezes a gente não sabe muito bem o que fazer com aqueles sentimentos que se prendem dentro do peito feito represa. Mesmo os mais simples como os de pai e mãe, passando pelos mais possessivos como as amizade, entrando nos mais instáveis como os de casal, e chegando ao clímax, no apogeu de tudo que é mais complexo no mundo: o amor próprio.

De tudo que já passei nessa vida, o que mais me marcou foram as vezes que precisei (quase que) me humilhar em troca do amor e compaixão de alguém. Não existe sentimento pior do que compaixão. Do que implorar por ela.

Meu amigo, o que queria realmente te dizer é que, olha, eu sei que não tá fácil, e que os dias andam difíceis, para ser sincero, cada dia piores, mas ninguém merece um amor mendigado. Ninguém merece implorar pra ter alguém. Ninguém merece um beijo roubado, um abraço suplicado, um afago comprado.

Uma vez perguntei a uma moça, depois de ter meu coração partido pela milésima vez, se um dia o destino me daria alguém para chamar de meu. Aquela criatura sábia respondeu prontamente: “um dia o universo vai te dar alguém que queira te chamar de seu”. Soou feito música os meus ouvidos.

A solidão não é um estado permanente e até pode ser uma opção, mas na vida, a gente sempre vai achar pessoas que queiram nos querer de volta. Talvez as julguemos pelos momentos em que elas apareceram. Pessoas certas nas horas erradas, pessoas erradas nas horas certas, pessoas certas, nos momentos certos, mas que deram errado.

Isso tudo aqui, na verdade, nada mais é do que um jogo de encaixe onde as peças vão se moldando durante as jogadas. A única coisa que a gente precisa fazer é sobreviver e não desistir. A felicidade também é capaz de nos encontrar. Não que meu orgulho deva gritar, ou que eu não deva correr atrás de quem acelera meu coração, mas, algumas pessoas precisam perder, sofrer ou quebrar a cara, para aprender quem realmente vale a pena.

Obs: Só não demora muito, não sei até quanto tempo meu amor próprio vai me deixar te esperar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Paris de Priscila 2016 © Todos os Direitos Reservados

Design & Desenvolvimento por Moonly Design | Imagens Cabeçalho por Freepik