10.10.13

Aqui de Longe, Te Observo

            
             Aqui de longe, te observo. Você mudou, viu?! Fico assim te admirando e me recordando de um tempo atrás como você era. Aquele sorriso contagiante, até hoje vive em minhas memórias. Aquelas palavras simples e aconchegantes. E quando você me escrevia-meu Deus-, daria tudo por mais um textinho seu, em um papel qualquer com o maior capricho.  Aquela sinceridade e sentimentalidade toda que não encontro lugar nenhum e também não procuro.  É tolice procurar algo único e tão precioso neste mundo egoísta. Não sei se te dei o devido valor, mas talvez não foi possível em agradecido ao infinito bem que você me fez e estas lembranças ainda vivas continuam,  mesmo que tenham sabor de dor . É dói lá dentro do coração, bem no fundinho, onde é substituível e nada consegue apagar. Diferentemente de outras dores, nós não queremos que ela desapareça por completa, pois é este o preço que se paga por viver momentos inesquecíveis. É saudade e ponto. Aquilo que dói mais que o dedinho do pé na quina da mesa. Transborda pelos olhos e se esboça um sorriso meio triste e com sabor de quero mais.  Vejo estas tuas fotos recentes, e felizmente, consigo enxergar o seu encantamento de sempre. E isso, é incrível, tão incrível. Aprendi demais com você, aprendi a rir das coisas como se o amanhã não existisse, mas confesso que não estou praticando... Para ser sincero, me faltam motivos. Tenho sido cautelosa e mesmo tempo desatenciosa, o pode acabar me prejudicando. É que não dá pra ser forte o tempo todo, todos os dias e minutos. As exigências da vida, cada vez maiores, estão me sufocando, e aguento o quanto posso, mas também desabo e quando isso acontece, o meu mundo cai, o meu chão some e as lembranças tomam conta de mim, já que você não pode está aqui. Não to te implorando nada. Você nem imagina como eu prezo pela sua felicidade. Quero dar um grande abraço nestes motivos do seu riso, mesmo se tenham nome e sobrenome... O mundo dá muitas voltas, e a gente vive de ciclos, pra colocar um pé à frente, a gente deixa o outro atrás, e o foi que aconteceu. Precisamos seguir em frente, foi duro encarar que nós não tenhamos mais tempo a frente. É até hoje. O desespero tomou conta de mim. Posso dizer sim, que já me senti a pessoa mais feliz do mundo, e isto aconteceu várias vezes, o que nunca vão saber que o motivo éramos nós, nossos segredos mais que secretos. Bobos e nossos. Nada vai mudar o que ficou. Isso faz parte da nossa história. Eu deveria ter aproveitado mais. E negado menos. Aliás, era a lei natural das coisas mesmo que eu não queria aceitar, não podia fazer nada para reverter esta situação, o egoísmo pode ter tomado um pouco conta de mim. Fui egoísta, porque não queria te perder, sem saber que isso só pioraria, e que iria acontecer de qualquer jeito meio que pra o nosso bem e pra evoluirmos.  Já me culpei sim, por esta e muitas outras coisas, e se eu pudesse mudar alguma coisa, não mudaria. Não mesmo. Há males que vem para o bem. E os meus males me ensinaram bastante. Não dá pra ser perfeito em tudo. E não fui. Nem você. Ainda bem. Isto só prova o quando tudo foi humano verdadeiro.  E hoje, te observo. Não puxo assunto, pelo medo de estragar. Quero ver o que a gente viveu perfeito, mesmo que longe e abstrato. 

8 comentários:

  1. Que liindo Pri!
    Eu já tinha lido lembra? fiquei muito feliz por ter postado por aqui. As pessoas merecem ler coisas fofas dessas!

    beijos <3

    ResponderExcluir
  2. Que lindo pri, você escreve muito bem <3

    Beijão!

    ResponderExcluir
  3. Awn amigaa, que perfeiçãao ..
    Ameeei, muuito lindoo. Sou fã dos seus textos viiu ..
    Paraabéns, continue publicando <3

    ResponderExcluir

Paris de Priscila 2016 © Todos os Direitos Reservados

Design & Desenvolvimento por Moonly Design | Imagens Cabeçalho por Freepik